Posições Políticas

18 de Janeiro – património de luta, horizonte de esperança

18 de Janeiro – património de luta, horizonte de esperança

Aqui estamos, de novo, a assinalar essa data memorável do 18 de Janeiro de 1934, prestando homenagem aos valorosos combatentes que nesse dia se levantaram contra o fascismo, em defesa da sua dignidade como homens livres e trabalhadores, pelo seu direito à organização sindical autónoma, contra a exploração, por melhores condições de vida, por uma sociedade mais justa.

Ver vídeo
Sobre a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia que se inicia

Sobre a Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia que se inicia

O Governo português assume, durante o primeiro semestre de 2021, a Presidência do Conselho da União Europeia.

Para o PCP, esta deveria constituir uma oportunidade para Portugal colocar na agenda da União Europeia a necessidade do questionamento do rumo e das políticas que esta impõe aos povos e que estão na origem das desigualdades sociais e das assimetrias de desenvolvimento que a percorrem.

Ver vídeo
«Portugal pode e deve vencer mas com outra política, uma política ao serviço do povo e do País»

«Portugal pode e deve vencer mas com outra política, uma política ao serviço do povo e do País»

A todos vós, aos trabalhadores e povo da cidade e do concelho de Montemor-o-Novo e, particularmente, aos reformados, pensionistas e idosos a quem dedicamos esta nossa Sessão Pública, as nossas mais cordiais saudações.

Encerramento da Central de Sines: Defesa do ambiente sim! Decisões precipitadas não!

Encerramento da Central de Sines: Defesa do ambiente sim! Decisões precipitadas não!

Depois do anúncio do encerramento da refinaria de Matosinhos da GALP há menos de um mês, concretiza-se hoje, por decisão da EDP e com a cobertura do Governo, o encerramento da Central termoeléctrica de Sines. Para o PCP trata-se de uma decisão política precipitada e negativa para o País e que, novamente a pretexto da chamada descarbonização e de supostas preocupações com o clima, mais não serve do que os interesses dos accionistas da EDP e da maximização dos seus lucros.

O voto em João Ferreira é o mais seguro e consequente na derrota de projectos anti-democráticos e de confronto com a Constituição

O voto em João Ferreira é o mais seguro e consequente na derrota de projectos anti-democráticos e de confronto com a Constituição

Num momento em que os portugueses vão ser chamados a escolher o futuro Presidente da República, faz todo o sentido trazer e evidenciar a importância dos problemas que estão subjacentes ao tema que aqui nos trás – os problemas da interioridade. Problemas que atingem uma parte significativa do nosso território e que se encontram bem patentes neste distrito de Viseu.

Levar a bom porto a candidatura que afirma e dá força à exigência de verdadeira mudança

Levar a bom porto a candidatura que afirma e dá força à exigência de verdadeira mudança

A todos vós, aos trabalhadores e povo da cidade e distrito do Porto as nossas mais cordiais saudações!

Entrámos na derradeira etapa que nos vai levar até ao dia das eleições para a Presidência da República – o próximo dia 24 de Janeiro!

Sobre o Encontro com o Primeiro-Ministro

Sobre o Encontro com o Primeiro-Ministro

Em declarações à imprensa, no final do encontro com o Primeiro-Ministro, Jerónimo de Sousa afirmou que "mais do que estados de emergência o que se impõem são medidas de emergência em particular de reforço do SNS, para acudir à situação dos lares de idosos e para concretizar os mecanismos de apoio social", sublinhado que outras medidas restritivas, seja de circulação ou de actividades, cuja fundamentação continua por fazer só devem ser consideradas caso a sua eficácia e adequação seja comprovada".

Ver vídeo
PCP entregou Projecto de Lei com medidas de combate à carência de professores

PCP entregou Projecto de Lei com medidas de combate à carência de professores

A falta de professores nas escolas, em determinados grupos de recrutamento é um fenómeno muito preocupante que exige medidas imediatas. A verdade é que a extrema precariedade e instabilidade dos vínculos, os baixos salários, impedem que muitos professores aceitem nomeadamente os horários incompletos quando eles são destinados em locais muito longe da residência habitual. Este é um problema grave que exige então propostas e soluções e não é de espantar que estas recusas por parte dos professores aconteçam uma vez que feitas as contas muitas vezes têm de pagar para trabalhar.