Intervenção de João Pimenta Lopes no Parlamento Europeu

Vacinas como um bem público, desenvolver capacidades de produção

Os 66% de população com vacinação completa na UE, contrastam com os 42% a nível mundial ou, pior, os 7% em África!

Foi o povo quem pagou os massivos recursos públicos mobilizados para a investigação, a produção, a compra antecipada de vacinas.
As multinacionais tomaram os direitos de propriedade e engrossam lucros à custa da saúde ao nível global.

Em prejuízo da investigação e produção públicas; obstaculizando a suspensão das patentes e das possibilidades de avanço mais rápido da produção, difusão e aplicação das vacinas; a UE prossegue a sua obstinada defesa dos interesses das multinacionais.

Contribuir para o necessário avanço da vacinação em todo o mundo exige não uma abordagem assistencialista, mas a defesa de uma efectiva cooperação para o desenvolvimento, que inclua o apoio ao desenvolvimento de capacidades próprias de produção nos países em desenvolvimento, liberta da lógica das multinacionais ou de estratégias de apoio condicional.

Já o afirmámos e não nos cansaremos de repetir: as vacinas são um bem público que devem estar ao serviço da Humanidade!

>
  • União Europeia
  • Intervenções
  • Parlamento Europeu